sexta-feira, 4 de outubro de 2013

As Obras da Carne - Embriaguez e Folias

Embriaguez, Folias

por William E. Fain
 
           É fácil ver a relação entre essas duas palavras, pois, embora seja possível que alguém esteja bêbado, ou seja alcoólatra, sem participar de folias, seria difícil tomar parte de folias sem estar embriagado.  Esse assunto não pode ser uma questão de opinião ou de discernimento pessoal:  são obras da carne pecaminosas e proibidas; portanto, qualquer pessoa que pratica isso não herdará o reino.  Para ser salvos, devemos crucificar o velho homem, e buscar o perdão por meio de Jesus Cristo.

           Sabendo que essas coisas trazem a ruína espiritual, a nossa tarefa neste artigo é principalmente de definição e de entendimento de como fazer as nossas vidas se conformar, de bom grado, à sua vontade.  Não podemos meramente ser indiferentes, nem apenas nos afastar dessas práticas: devemos sentir a mesma revolta pelas obras da carne que o nosso Pai celeste.

 A embriaguez


           Há pessoas religiosas chamando-se "cristãs" sem condenarem a embriaguez?  A maioria concorda que a prática do alcoolismo é pecaminosa, embora alguns achem desculpas dizendo tratar-se apenas de uma enfermidade.  A maioria dos especialistas e conselheiros em medicina concordam em que seja uma doença ou um vício, já que o álcool é uma droga.
 
           Entretanto, ainda que de fato passe a ser uma doença ou um vício, o que não se pode vencer sem ajuda, ela começa com a prática consciente e deliberada do pecado.  Ela implica: falta de domínio próprio (Romanos 12:2; Gálatas 5:23);  não pensar no resultado que terá sobre as outras pessoas (Romanos 14:13-15:3; 1 Coríntios 8); e recusa de refletir sobre a necessidade e o poder da influência (Mateus 5:13-16; 1 Pedro 2:11-12, 15-16).  Poucos bêbados ou alcoólatras tencionaram ser assim.  Isso me lembra uma história que se passou poucos anos atrás numa igreja do oeste do Texas, igreja essa grande e fraca, a qual enviava questionários a novos pregadores em potencial. 
 
           Uma das perguntas formuladas era:  "Você bebe?".  Ainda bem ­ mas a seguinte um choque:  "Quanto?".  Um ex-pregador de uma grande igreja (e mais tarde diretor de uma faculdade teológica) certamente jamais sonhou quando começou a tomar alguns drinques em festas sociais, e mais um pouco para aliviar o seu "estresse", que sob a influência do álcool ele teria um acidente de carro e mataria duas mulheres.  Quando se começa a beber, vai-se na direção errada: em direção à embriaguez e ao vício do álcool.

           A estatística de morte, destruição, angústia e massacre causados pela ingestão de álcool é estarrecedora demais para não levarmos em conta.  Seria extremamente difícil encontrar qualquer coisa boa para dizer sobre qualquer coisa que ainda remotamente se relacionasse com a fabricação das bebidas alcoólicas.  Causa muito prejuízo.
 
 
Folias

           Como se disse anteriormente, só a definição mostra por que esta obra da carne se encontra em tão desonrosa companhia ­ a lista dos atos humanos mais vis e baixos.  Não conheço nenhum dicionário, vocabulário ou comentário que tenha qualquer coisa boa para dizer sobre a folia.  Esta palavra se acha condenada em Romanos 13:13, Gálatas 5:21 e em 1 Pedro 4:3 ; e num sentido secundário, em 2 Pedro 2:13.  Uma definição mais abrangente associa-a à lascívia, às orgias, às bebedices, aos tumultos, às festas, às práticas sensuais, à intemperança tumultuosa e às festas excessivas

           Irmãos e irmãs em Cristo, devemos permanecer afastados dessas obras da carne ­ em pensamento, em palavra e em ação!
 
 
Dê sua opinião

Google+ Followers

Postagens populares