quinta-feira, 17 de outubro de 2013

A Mentira que fez de Deus um Mistério!

MATÉRIA DE CAPA | MENTIRAS QUE AFASTAM AS PESSOAS DE DEUS

A mentira que fez de Deus um mistério

00:0000:00
O QUE MUITOS ACREDITAM
A cristandade, “em suas três formas clássicas de catolicismo romano, ortodoxia oriental e protestantismo, admite um Deus em três pessoas: o Deus Pai, o Deus Filho e o Deus Espírito Santo. De acordo com a teologia cristã, eles não são três deuses, mas essas três pessoas são essencialmente uma”. — The New Encyclopædia Britannica (Nova Enciclopédia Britânica).

O QUE A BÍBLIA DIZ
Jesus, o Filho de Deus, nunca alegou ser igual ou da mesma substância que seu Pai. Em vez disso, ele disse: “Vou embora para o Pai, porque o Pai é maior do que eu.” (João 14:28) Ele também falou a uma de suas discípulas: “Eu ascendo para junto de meu Pai e vosso Pai, e para meu Deus e vosso Deus.” — João 20:17.

O espírito santo não é uma pessoa. Os cristãos do primeiro século “ficaram cheios de espírito santo”, e Jeová disse: “Derramarei do meu espírito sobre toda sorte de carne.” (Atos 2:1-4, 17) O espírito santo não é parte de uma Trindade. Ele é a força ativa de Deus.

POR QUE ISSO É IMPORTANTE
Os eruditos católicos Karl Rahner e Herbert Vorgrimler, explicam que a Trindade “não pode ser conhecida sem uma revelação e, mesmo após a revelação, não é possível que se torne plenamente compreensível”. Você conseguiria amar alguém a quem não pudesse conhecer nem entender? Por isso, a doutrina da Trindade impede que as pessoas conheçam e amem a Deus.

Marco, já citado, via a Trindade como uma barreira. Ele diz: “Eu pensava que Deus não queria que eu o conhecesse, e isso o tornava ainda mais distante, misterioso e inacessível.” Mas “Deus não é Deus de confusão”. (1 Coríntios 14:33, Centro Bíblico Católico) Ele não esconde sua identidade de nós. Ele quer que o conheçamos. Jesus disse: “Nós adoramos o que conhecemos”. — João 4:22.

“Quando aprendi que Deus não é parte de uma Trindade”, diz Marco, “eu finalmente pude ter uma amizade com ele”. Se encaramos a Jeová como uma pessoa única, e não como um misterioso desconhecido, fica muito mais fácil amá-lo. “Quem não amar, não chegou a conhecer a Deus”, diz a Bíblia, “porque Deus é amor”. — 1 João 4:8

Este post também é de Durin Gradinariu, agradecida por sua participação.

A Verdade vos Libertará!

MATÉRIA DE CAPA | MENTIRAS QUE AFASTAM AS PESSOAS DE DEUS

“A verdade vos libertará”

00:0000:00
Certo dia em Jerusalém, Jesus falou sobre seu Pai, Jeová, e expôs falsos líderes religiosos de seus dias. (João 8:12-30) O que ele declarou naquela ocasião nos ensina que é importante examinar crenças populares sobre Deus. Jesus disse: “Se permanecerdes na minha palavra, sois realmente meus discípulos, e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” — João 8:31, 32.

“Se permanecerdes na minha palavra.” Aqui Jesus estabelece um modelo para avaliarmos se o que as religiões ensinam é “a verdade”. Quando você ouvir algo sobre Deus, pense: ‘Isso está em harmonia com as palavras de Jesus e com o restante da Bíblia?’ Imite aqueles que ouviram o que Paulo ensinou e examinaram “cuidadosamente as Escrituras, cada dia, quanto a se estas coisas [que eles estavam aprendendo] eram assim”. — Atos 17:11.

Marco, Rosa e Roberta, já mencionados, examinaram suas crenças com cuidado por estudar a Bíblia com as Testemunhas de Jeová. O que eles aprenderam?

Marco: “Todas as perguntas que eu e minha esposa tínhamos foram respondidas na Bíblia. Passamos a amar a Jeová e também nos tornamos mais unidos como casal.”
Rosa: “Eu pensava que a Bíblia era um livro de filosofia que tentava explicar Deus usando raciocínios de homens. Mas com o tempo, eu encontrei as respostas às minhas perguntas. Agora, sinto que Jeová é uma pessoa real, alguém em quem posso confiar.”
Roberta: “Eu orei a Deus pedindo ajuda para conhecê-lo. Mais tarde, eu e meu marido começamos a estudar a Bíblia. Finalmente aprendemos a verdade sobre Jeová. Ficamos felizes por saber que tipo de Deus ele é.”
A Bíblia faz muito mais do que revelar a verdade sobre Deus; ela também mostra suas atraentes qualidades. Ela é sua Palavra inspirada e nos ajuda a ‘saber as coisas que nos foram dadas bondosamente por Deus’. (1 Coríntios 2:12) O que acha de ver por si mesmo o que a Bíblia diz sobre Deus, seu propósito e nosso futuro? Para ver a resposta, acesse “Ensinos Bíblicos > Perguntas Bíblicas Respondidas”, no site www.jw.org. Você também pode pedir um estudo bíblico por meio desse site, ou a qualquer Testemunha de Jeová. Se fizer isso, temos certeza de que chegará à conclusão que é mais fácil amar a Deus do que imagina.

Mais um post de Durin Gradinariu, agradecida por sua participação.

O Recompensador dos que Seriamente o Buscam!

Dorin Gradinariu
 

 ACHEGUE-SE A DEUS

“O recompensador dos que seriamente o buscam”

00:0000:00
Será que Jeová valoriza o que seus adoradores fazem para agradá-lo? Alguns talvez digam que Deus não está interessado em nós. Mas essa afirmação dá uma ideia enganosa sobre Deus. A sua Palavra, a Bíblia, revela como Deus realmente é. Ela nos garante que Jeová valoriza os esforços de seus adoradores fiéis. Veja as palavras do apóstolo Paulo em Hebreus 11:6.

O que é necessário para agradar a Jeová? “Sem fé é impossível agradar [a Deus] bem”, escreve Paulo. Perceba que Paulo não diz que sem fé é difícil agradar a Deus, mas sim que é impossível. Ou seja, para agradar a Deus é essencial ter fé.

Que tipo de fé agrada a Jeová? Nossa fé em Deus envolve crer em duas coisas. Primeira, precisamos “crer que ele existe”. Como poderíamos agradar a Deus se duvidássemos de sua existência? Mas a fé genuína envolve mais do que isso, pois até mesmo os demônios acreditam que Jeová existe. (Tiago 2:19) Precisamos demonstrar nossa fé por viver de um modo que agrada a ele. — Tiago 2:20, 26.

Segunda, ‘temos de crer que’ Deus é “o recompensador”. A pessoa que tem fé verdadeira está plenamente convencida de que seus esforços para agradar a Deus não serão em vão. (1 Coríntios 15:58) Como poderíamos agradar a Jeová se duvidássemos de sua capacidade ou desejo de nos recompensar? (Tiago 1:17; 1 Pedro 5:7) A pessoa que acha que Deus é insensível, ingrato e mesquinho não conhece o Deus da Bíblia.

A quem Jeová recompensa? Os que “seriamente o buscam”, diz Paulo. Uma obra de referência diz que a palavra grega traduzida “seriamente o buscam” não significa apenas tentar aprender sobre Deus, mas também se empenhar para adorá-lo. Outra obra de referência explica que esse verbo grego sugere intensidade e esforço concentrado. De fato, Jeová recompensa os que pela fé o adoram com amor e zelo. — Mateus 22:37.

Como poderíamos agradar a Jeová se duvidássemos de sua capacidade ou desejo de nos recompensar?
Como Jeová recompensa seus adoradores fiéis? Ele prometeu para o futuro uma recompensa inestimável que mostra o quanto ele é generoso e nos ama: a vida eterna no Paraíso na Terra. (Revelação [Apocalipse] 21:3, 4) Mesmo agora, aqueles que buscam seriamente a Jeová recebem muitas bênçãos. Eles têm um modo de vida gratificante graças à ajuda do espírito santo de Deus e da sabedoria encontrada na sua Palavra. — Salmo 144:15; Mateus 5:3.

De fato, Jeová é um Deus que reconhece o valor do serviço fiel de seus adoradores. Saber disso motiva você a se achegar mais a ele? Então, o que acha de aprender mais sobre desenvolver e demonstrar o tipo de fé que Jeová recompensa?

Sugestão de leitura da Bíblia para o mês de novembro

Tito 1-3; Filêmon 1-25; Hebreus 1-13–Tiago 1-5

Este post é um oferecimento de Dorin Gradinariu, agradeço imensamente sua participação!


A Mentira que Tornou Deus Cruel!


Dorin Gradinariu
 
 
 
 MATÉRIA DE CAPA | MENTIRAS QUE AFASTAM AS PESSOAS DE DEUS

A mentira que tornou Deus cruel

00:0000:00
O QUE MUITOS ACREDITAM
“As almas dos que morrem em estado de pecado mortal descem imediatamente após a morte aos infernos, onde sofrem as penas do Inferno, ‘o fogo eterno’.” (Catecismo da Igreja Católica) Alguns líderes religiosos dizem que o inferno é um estado de total isolamento e separação de Deus.

O QUE A BÍBLIA DIZ
“A alma que pecar — ela é que morrerá.” (Ezequiel 18:4) Os mortos “não estão cônscios de absolutamente nada”. (Eclesiastes 9:5) Se a alma morre e está inconsciente, como ela poderia sofrer num “fogo eterno” ou mesmo sentir a dor de ficar separada de Deus para sempre?

Na Bíblia, as palavras em hebraico e grego traduzidas “inferno” se referem à sepultura comum da humanidade. Por exemplo, falando de Jesus, uma profecia bíblica diz: “Tu não me abandonarás no sepulcro [“no inferno”, versão Antônio Pereira de Figueiredo].” (Atos 2:27, Nova Versão Internacional) É óbvio que Jesus não estava em um lugar de tormento ou alienado de Deus, mas em uma sepultura.

POR QUE ISSO É IMPORTANTE
A crueldade não nos atrai a Deus, mas nos afasta dele. Rocío, que vive no México, diz: “Aprendi a doutrina do inferno de fogo quando era pequena. Eu ficava tão apavorada que não conseguia imaginar Deus como alguém bom. Eu achava que ele era bravo e intolerante.”

Os claros ensinamentos da Bíblia sobre os julgamentos de Deus e a condição dos mortos mudaram o modo de Rocío encarar a Deus. Ela diz: “Eu me senti livre — um grande peso foi tirado de mim. Hoje, tenho certeza de que Deus nos ama, quer o melhor para nós e eu posso amá-lo. Ele é como um pai que segura a mão de seu filho e quer o melhor para ele.” — Isaías 41:13.

Muitas pessoas se tornam devotas por causa do medo do inferno de fogo, mas Deus não quer que você o sirva por medo. Jesus disse: “Tens de amar a Jeová, teu Deus.” (Marcos 12:29, 30) Além disso, ao aprendermos que Deus não age injustamente, podemos confiar que seus julgamentos futuros serão sempre justos. Como o amigo de Jó, Eliú, podemos dizer com confiança: “Longe está do verdadeiro Deus agir ele iniquamente, e do Todo-poderoso agir injustamente!” — Jó 34:10.

Este post foi de Dorin Gradinariu numa postagem que fiz... agradecida imensamente por sua participação.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

O que é Apologia?

Browse > Home / / O que é Apologia?

O que é Apologia?

3 comentários
Olá queridos leitores,
Hoje gostaria de responder uma pergunta que me fizeram-

Mas o que é Apologia?

Geralmente muitos cristãos nunca ou quase nunca ouviram falar em apologia e uma grande parcela nunca leu nada sobre o assunto. O que é apologia ? Para que serve ? Onde emprega-la ? Para sabermos o que é apologia precisamos primeiro saber o que não é.

O Que Não é Apologia.
1. Apologia não é criticar a religião dos outros.
2. Apologia não é menosprezar as demais crenças.
3. Apologia não é declarar guerra aos demais credos.

Etimologia da PalavraO dicionário "Aurélio século XXI" define apologia como: "Discurso para justificar, defender ou louvar." A palavra grega nos escritos neotestamentario para "responder" é apologia. Essa palavra aparece em I Pedro 3:15 "antes santificai em vossos corações a Cristo como Senhor; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a todo aquele que vos pedir a razão da esperança que há em vós".

Portanto, apologia dentro do contexto evangélico, é a habilidade de responder com provas adequadas e sólidas a fé cristã perante as demais religiões. Já que o cristianismo é uma religião de fatos, ou como bem expressou certo apologista: "é uma religião que apela aos fatos da história", ela se serve de tais meios para fundamentar seus argumentos.

A apologia é parte inseparável da teologia, sendo que aquela, serve-se desta, para desenvolver um plano lógico e sistemático nas questões argumentativas concernentes á fé cristã.
O cristianismo é uma religião que por sua natureza exclui quaisquer outros credos como verdadeiros, a não ser ele mesmo. Por isso, ele entra em choque com as demais religiões existentes, que são sem exceções, produtos das idéias dos homens, que na ânsia de sua procura pelo sagrado, por Deus, aliena-se nas suas próprias imaginações, resultado da depravação total da qual está sujeita a humanidade sem Deus. Enquanto as demais religiões apresentam vários intercessores e deuses e, mormente, vários caminhos que levam a tais deidades, o cristianismo por sua vez apresenta um só mediador e um só caminho que leva exclusivamente a apenas um único Deus verdadeiro.
Neste choque de crenças a apologia se torna indispensável. Ela nasce forçosamente como uma resposta ao ataque á sã doutrina que muitas vezes se apresenta sob diversas faces.
Quase todas as epístolas foram escritas visando à defesa da fé cristã (no sentido de corrigir erros doutrinários) contra os ataques de fora, e muitas vezes de dentro da própria igreja.

Bibliografia: Alister E.Mcgrath, Teologia

Apóstolos Hoje?

Browse > Home / / Apóstolos na modernidade?

Apóstolos na modernidade?

6 comentários



Queridos leitores, é curioso observar como algumas igrejas evangélicas têm facilidade em aceitar novidades. É triste verificar a falta de empenho dos cristãos em observar as Escrituras e analisá-las com cuidado. Triste também é saber que poucas são as igrejas que motivam seus membros ao estudo sistemático da Bíblia, ao aprofundamento teológico, a formação de grupos de estudo e discussão sobre as doutrinas cristãs e que verifiquem na Bíblia se as coisas realmente são como é pregado. Aliás, não é pecado analisar se os ensinos e a pregação estão em conformidade com as Sagradas Escrituras (Atos 17.10-11), pois os bereanos faziam isso e foram considerados Nobres por Lucas.

Dentro de tantas "revelações" e novidades que temos observado, é importante expressar-se sobre o caráter das revelações:
1) as revelações nunca deverão ser colocadas acima da Bíblia. A Bíblia é a Palavra final e autoridade máxima, já que se trata da inerrante Palavra de Deus;
2) Se a revelação está em desconformidade com a Bíblia, descarte imediatamente tal revelação. Deus não é Deus de confusão (1 Coríntios 14.33) As experiências pessoais não podem ser colocadas acima das Escrituras Sagradas, pois estas já contêm a revelação do propósito de Deus ao homem.
3) E jamais se esqueça que todas as revelações a cerca da doutrina de Cristo cessaram Nesse. O Espírito Santo nos auxilia quanto aos mistérios das revelações contidas na Sã Doutrina e não quanto as "Novas Revalações doutrinárias". Tenho visto e convivido com pessoas que acreditam em "Novas Doutrinas", ou seja, um Novo Evangelho de Cristo.

Nestes tempos de tantas novidades, algo chama atenção de maneira muito preocupante na história recente da igreja: trata-se do Apostolado Contemporâneo, ou Restauração Apostólica. Muitos têm se levantado como apóstolos nestes dias. Apóstolos ungindo apóstolos e criando uma hierarquia apostólica. Alguns pastores que, talvez por se sentirem menores que seus colegas de ministério que foram ungidos como apóstolos, ungem-se a si mesmos e se auto-proclamam apóstolos. Não há fundamento para o chamado ministério apostólico contemporâneo pelo simples fato do mesmo não possuir respaldo bíblico.

O termo Segundo o Dicionário Bíblico Universal, o termo apóstolo “significa mais do que um 'mensageiro': a sua significação literal é a de 'enviado', dando a idéia de ser representada a pessoa que manda. A Bíblia de Estudo de Genebra também aplica esta descrição, dizendo que apóstolo “significa 'emissário', 'representante', alguém enviado com a autoridade daquele que o enviou”

A frágil sustentação
Aqueles que defendem esta frágil posição, têm se sustentado principalmente na má interpretação do texto de Efésios 4.11 para o uso do ministério apostólico para nossos dias. O texto de Efésios 4.11 diz: “E Ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres”.

A refutação
As regras mais simples de hermenêutica nos ensinam que os textos sagrados nunca devem ser tirados de seu contexto. E no contexto da epístola de Paulo aos Efésios, temos no capitulo 2 o texto que prova que este ministério não mais existe. Antes de citar o texto, é importante refletir: quando um prédio é construído, o que é feito primeiro? As paredes ou a fundação da obra? É obvio que todo alicerce, toda fundação é feita em primeiro lugar. Não é possível construir as paredes e no meio das paredes fazer a fundação.

Efésios 2.19-20 diz: “Assim, já não sois estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e sois da família de Deus, edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular”.

Cristo é a pedra angular e os fundamentos foram postos pelos apóstolos e profetas. Os evangelistas, pastores e mestres são os responsáveis pela construção das paredes desta obra. Os membros que formam a igreja estão edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas. Uma vez que o alicerce está pronto, ele não é jamais construído novamente. Constrói-se sobre ele. As Escrituras descrevem o trabalho dos apóstolos e dos profetas, quanto à sua natureza, como um trabalho de base.

Existiam duas exigências fundamentais para que um apóstolo fosse reconhecido para tal função:

1) Ser testemunha ocular da ressurreição de Jesus Cristo (Atos 1:21-22; Atos 1.2-3 cf. 4.33; 1 Coríntios 9.1; 15.7-8);

2) Ser comissionado por Cristo a pregar o Evangelho e estabelecer a igreja (Mateus 10.1-2; Atos 1.26).

Assim como Matias, que passou a integrar o corpo apostólico por ser uma testemunha, Paulo, que se considerava o menor, por ser o último dos apóstolos, contemplou a Cristo no caminho de Damasco (Atos 9.1-9; 26.15-18), onde ocorreu o início de sua conversão. Ou seja, ambos preenchem os pré-requisitos para tal função. No entanto, os que se intitulam apóstolos em nossos dias não se encaixam nos padrões bíblicos que validam o apostolado.

É interessante que, enquanto o Ap. Paulo refere-se a si mesmo como “o menor dos apóstolos” (1 Coríntios 15.9), os atuais apóstolos tem por característica a fama e a ostentação do título. Tudo é apostólico! A unção é apostólica! Os eventos são apostólicos! As músicas são apostólicas! Nem de longe se assemelham com a humildade dos apóstolos bíblicos. Eventos, cultos e seminários se tornam mais interessantes quando a presença do Apóstolo Fulano é confirmada. É um chamariz: “venha e receba a unção apostólica diretamente do Apóstolo Beltrano”. Tais apóstolos têm se colocado como super-crentes, uma nova e especial classe da igreja, a elite cristã dos tempos modernos. Hoje existe de tudo um pouco neste balcão mercantil da fé: Apóstolo do Brasil, Apóstolo da Santidade, Apóstolo do Avivamento e até mesmo o mais popular apóstolo brasileiro, chamado por muitos por “Paipóstolo”.

É equivocado aplicar o termo “apóstolo” para ministros contemporâneos. A Bíblia de Estudo de Genebra concluí que “Não há apóstolos hoje, ainda que alguns cristãos realizem ministérios que, de modo particular, são apostólicos em estilo. Nenhuma nova revelação canônica está sendo dada; a autoridade do ensino apostólico reside nas escrituras canônicas”

Esta Restauração Apostólica não encontra subsídio bíblico ou histórico, portanto, levando em conta este contexto, e considerando principalmente que Paulo foi o último apóstolo, conclui-se que não existem apóstolos em nossos dias. Cabe a igreja de nossos dias, exercer suas funções sem invencionices e modismos, seguindo o puro e verdadeiro Evangelho.

...e eu que estou, apenas, tentando ser um verdadeiro adorador...

Referências:
Dicionário Bíblico Universal. Editora Vida
Bíblia de Estudo de Genebra. Editora Cultura Cristã
AGIR – Agência de Informações Religiosas – http://www.agirbrasil.com/

As Dispensações

Browse > Home / / / As dispensações

As dispensações

0 comentários
Olá amigos e leitores estamos de volta e hoje postando mais uma matéria sobre escatologia.

Um assunto de certa importância e para maior compreensão da Bíblia Sagrada chama-se: as Dispensações.

O dispensacionalismo vê o mundo e a história como uma casa dirigida por Deus. Neste mundo Deus está conduzindo ou administrando os negócios de acordo com Sua vontade e em várias fases de revelação. Essas fases são conhecidas como as dispensações. É importante destacar desde logo que as dispensações não têm nada a ver com o modo como as pessoas são salvas de seus pecados.

De acordo com a perspectiva bíblica, o que são as dispensações ou eras da história? Há sete dispensações que podem ser deduzidas da Palavra de Deus, sendo elas:
  • Inocência (Gen 1.28-3.6): esta foi aparentemente a mais curta das dispensações e terminou com a queda de Adão e Eva.
  • Consciência (Gen 3.7-8.14): a palavra consciência usada para descrever esta dispensação é encontrada em Rom 2.15, que descreve o tempo entre a queda e o Dilúvio.
  • Governo Humano (Gen 8.15) Depois do dilúvio, Deus disse que não julgaria diretamente o homem até a segunda vinda de Cristo. Dessa maneira, uma agência humana conhecida como governo civil foi divinamente estabelecida para mediar e tentar refrear o mal dos homens.
  • Promessa (Gen11.10 - Ex.18.27) Este período é determinado pelo chamado de Abraão e pela promessa feita a ele e aos seus descendentes, físicos e espirituais.
  • Lei/Israel (Ex 19- João 14.30): Israel não foi e nunca seria salvo por guardar a Lei. Pelo contrário, a lei estipulava como eles deveriam viver. Ela deveria governar cada aspecto de suas vidas. Mas a lei era temporária até se cumprir em Cristo, por ocasião de sua vinda.
  • Graça/Igreja (Atos 2.1 - Apocalipse 19.21): A lei da vida para a igreja é a graça, e através de Jesus, a graça de Deus se estende a todos, por todo o mundo, por meio do evangelho.
  • Reino (Apocalipse 20.1-15): Durante o reino milenar do Messias, em Jerusalém, as promessas que Deus fez a Israel como nação serão cumpridas. A igreja também reinará e governará com Cristo como Sua noiva, os gentios também colherão grandes bênçãos.

A teoria da dispensação capacita-nos a compreender corretamente o horário profético de Deus para a história. A era atual enfoca a igreja, e não Israel, como instrumento por meio do qual Deus agora opera. Em breve essa igreja será arrebatada da terra e Deus começará a cumprir tudo o que prometeu a Israel, ou seja, o fim está mais próximo do que você imagina.

"Bem-aventurados aqueles que lêem e aqueles que ouvem as palavras da profecia e guardam as cousas nela escritas, pois o tempo está próximo" (Apoc. 1.3)

Por Elder Sacal Cunha

As Falcatruas do Julgamento de Jesus Cristo!

Browse > Home / / As falcatroas do Julgamento de Jesus Cristo

As falcatruas do Julgamento de Jesus Cristo

5 comentários
Hoje gostaria de abordar o julgamento mais comentado da história geral, o Julgamento de Cristo Jesus.

Cabe salientar, em primeiro lugar, que Cristo fora condenado não por suas práticas milagrosas ou por ter violado o sábado, mas pelo simples fato de ter se nomeado o Filho de Deus e o próprio Deus encarnado, em outras palavras, a questão de seu julgamento seria a sua identidade. As autoridades religiosas e os próprios judeus acreditavam que as afirmações de Jesus eram uma blasfêmia e por essa razão deveria ser julgado e condenado.

Podemos destacar que Cristo, durante seu ministério público, jamais deixou de enfatizar a relação fraternal que Ele mantinha com o seu Pai e jamais deixou de anunciar quem Ele realmente era. Não só Jesus se auto intitulou ser Deus (YHWH) (João 5.17-18; João 8.19-58), como também seus seguidores e discípulos o reconheciam como o Messias e Filho do Deus Altíssimo.

Quanto ao seu julgamento:

O propósito declarado dos líderes religiosos judeus era, conforme se lê em Mateus 26:4 prender Jesus, à traição, e mata-lo. Mas diziam: não durante a festa, para que não haja tumulto entre o povo. Isso posto, o que interessava a eles não era a legalidade, e sim, desfazer-se de Cristo de qualquer modo. Por esta razão, eles praticaram tantas e tão graves irregularidades, durante o julgamento de Jesus. Essas irregularidades por si só teriam anulado o julgamento.

Consideremos três lances decisivos desse injusto julgamento.

1) O Exame preliminar João 18:19,24. O propósito desse interrogatório era reunir provas contra Ele. Na verdade o Senhor não aceitou essa irregularidade, insistindo que apresentassem as acusações contra Ele, afinal as acusações devem vir antes de qualquer interrogatório, como se vê os judeus já estavam dispostos a condenar o inocente antes do julgamento começar. Bastaria isso para desqualificar os juizes diante de qualquer tribunal sério.

2) O julgamento noturno ilegal. Segundo uma estipulação da lei judaica era proibido fazer julgamento à noite. Mas, ou as autoridades religiosas judaicas passavam por cima desta lei ou correriam o risco de não conseguir condenar a Jesus. Enquanto o Sinédrio se reunia, os principais sacerdotes trabalhavam freneticamente para arrumar testemunhas de acusação disposta a mentir, mas, embora estavam todas arranjadas e preparadas para mentir não havia concordância entre elas marcos 14:56.

3) A decisão matinal determinada. A reunião de sexta feira pela manhã, teve o propósito de prestar um ar de legalidade à decisão tomada na noite anterior, e planejar como a questão seria apresentada à Pilatos. A acusação que o Senhor teria blasfemado ao afirmar que era o filho de Deus era uma acusação religiosa e certamente Pilatos não daria ouvidos a esse tipo de acusação. Além do mais não foi averiguado os fato para ver se Jesus estava falando a verdade ou era mesmo uma blasfêmia.

O julgamento romano

1) Tentativa de evasão. Os judeus deram a entender que queriam que Pilatos cedesse à vontade deles, encarregando-se o governador somente da execução do réu, mas deixando com eles o direito de sentenciá-lo a morte. Todas a razões dos líderes religiosos eram vãs e o governador seria obrigado a declara-lo inocente. Marcos 15:10. Acusação sem fundamento. As acusações giravam em torno de três questões básicas:

Jesus pervertia a nação;

Impedia o pagamento de impostos; e

Declarava-se rei.

As duas primeiras foram descartadas, só a terceira foi que Pilatos deu maior atenção.

3) Exame e absolvição. O dialogo entre Pilatos e Jesus foi breve. Diante da pergunta de Pilatos: "És tu o rei dos judeus?" Jesus mostrou que não se interessava por qualquer poder político deste mundo, quando respondeu: João 18:38,38. Bastou isto para Pilatos ficar convencido da inocência de Jesus, por isso lemos que terminado o diálogo Pilato disse: Eu não acho Nele crime algum. Ora este veredicto deveria ter posto fim a esta questão.

4) O parecer de Herodes. Na tentativa de se livrar do problema, Pilatos mandou a questão até Herodes, o qual após ridicularizar, humilhar e bater em Jesus mandou de volta, o que ficou claro que nem mesmo Herodes achou algo que o condenasse a morte Lucas 23:14,15.

5) Jesus ou Barabás. Vemos que o criminoso foi solto e que o inocente foi vitima dos mais cruéis castigos que alguém poderia suportar. Pilatos procurou inocentar-se do crime que estava por cometer ao dizer : Estou limpo do sangue deste INOCENTE. Mas a reação do povo foi : Caia sobre nós o seu sangue, e sobre nossos filhos ! Mateus 27:17,26.

6) Eis o Homem. Em último apelo aos sentimentos de humanidade dos judeus, Pilatos apresentou Jesus, sangrando com as chicotadas recebidas, com a coroa de espinhos na cabeça e com o manto púrpura, com que os soldados romanos haviam zombado e tripudiado dele. As palavras de Pilatos, ao exibir Jesus à furiosa multidão, devem ter soado extremamente fora de lugar e sem sentido: "Eis o homem!"(João 19:5).

7) A sentença. E, pela última vez, Pilatos sentenciou: "Tomai-o vós outros e crucificai-o; porque eu não acho nele crime algum" (João 19:6). E também pela ultima vez, os judeus incrédulos sentenciaram: "Temos uma lei, e, de conformidade com a lei, ele deve morrer, porque a si mesmo se fez Filho de Deus"(João19:7). Então Pilatos entregou Jesus às mãos das autoridades judaicas, para que ele fosse crucificado. Estava terminando o julgamento. Os dois maiores tribunais do mundo tinham acabado de decretar a maior injustiça que já se cometeu oficialmente à face da terra. Nem o tribunal religioso e nem o tribunal civil serviram, realmente, à justiça! Foi somente para tentar aplacar aos judeus que Pilatos permitiu a crucificação de Jesus! Alguns anos mais tarde, Pilatos foi tirado do governo da Judéia, e acabou se suicidando, embora, para isso só contemos com tradições um tanto duvidosas. Mas, antes disso, ele deve ter tido muitos pesadelos que envolviam um obscuro carpinteiro da Galiléia, a quem não se fizera justiça!

O Caminho foi oferecido, mas NÓS O rejeitamos e O desvíamos. Pense nisso!

Por Elder Cunha

Balada Gospel: Agito ou Egito?

Browse > Home / / Balada Gospel: Agito ou Egito ?

Balada Gospel: Agito ou Egito ?

7 comentários
Olá leitores e amigos,
Vocês sabiam que agora culto da mocidade, chama-se " Balada Gospel", É mole! E com direito a luzes, gelo seco, luz negra, jovens com piercing, meninas, aliás “minas” com roupas justíssimas, jovens de camisetas, calças caindo e mostrando a cueca e o lance de “ficar”. Muitos irmãos ainda afirmam com convicção: “Prefiro ver o meu filho numa balada gospel do que numa balada qualquer”
 
Será que não está faltando Bíblia nessa Tuma? Ou será que sou "Zé Mané", "Babaca" e "Véio"?
Esta moda está “pegando”, a juventude está sendo levada por essa onda. Vídeos e mais vídeos na internet, convites e mais convites vinculados a página de relacionamento virtual. Será que Deus apóia este tipo de festa?
(1 Co 6.12 Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas me convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma elas ).
 
Nós cristãos que deveríamos sair do conceito do mundo fugindo de tais práticas, regredimos a um conceito distorcido com saudades do mundo. Como se não bastasse as nossas festas abençoadas, congressos com muita alegria do Espírito Santo, bênçãos, renovo, salvação de almas, etc
 
Não precisamos entrar na forma do mundo, e tão pouco precisamos do fermento do mundo para crescer em santidade, afinal somos o sal da terra e se o sal não traz o bom gosto, quem vai trazer?


Rm 12.1 Rogo-vos pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos como um sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.
2 E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.

Que tipo de cristianismo vivemos? Ao invés de incomodarmos ao mundo com nossa pregação e atos somos incomodados e contaminados pelo mundo.
Até a próxima balada....ops...postagem.





Pr Elder Sacal Cunha

Brincar de ser Cristão... é tão Bom! Será?

Browse > Home / / Brincar de ser cristão, é tão bom. Será?

Brincar de ser cristão, é tão bom. Será?

0 comentários
Queridos amigos e leitores como pastor e eterno estudante da Sã Doutrina é comum estarmos entre pessoas que falam e escrevem sobre o cristianismo, no entanto confesso que prefiro mais a companhia de pessoas que saibam aproveitar o tempo e que saibam viver.
O que precisamos é saber realmente viver o cristianismo. Ser um cristão autêntico.
 
Muitas vezes, nós cristãos, nos contentamos com um cristianismo superficial. Experimentamos apenas parcialmente as mudanças que Deus pode produzir em nossas vidas e desenvolvemos atividades que, no máximo, mantêm morna a nossa fé e torna o nosso estilo de vida apenas uma experiência vicária. Estamos tão distantes da experiência cristã autêntica .
 
Será que o verdadeiro cristianismo tem alcançado o lugar de destaque que merece?
Temos clamado para que a nossa nação se volte para Deus. Contudo, nosso ritmo cotidiano nos faz passar correndo pela presença de Deus que dizemos adorar, deixando nossas vidas devocionais fracas e frouxas. A maioria dos trabalhos evangelísticos que realizamos é inspirada pela culpa e servimos à igreja por razões erradas.
 
Isto é cristianismo autêntico?
O que falar dos líderes cristãos que desafiam de coração os jovens a se tornarem “homens e mulheres de Deus”, entretanto os modelos masculinos que os rapazes vêem em suas igrejas são de homens dominados, fracos, com falta de energia e vigor, sem falar de vosso comportamento que não se condiz com os seus ensinamentos. Quanto a esse ponto a Palavra de Deus é bem clara. Nós como cristãos, adoramos falar das pessoas, sair julgando por aí, colocar pessoas contra as outras, colocar lideres contra os membros, no entanto Paulo nos ensina em Romanos 2.1 “Portanto és indesculpável quando julgas, ó homem, quem quer que sejas, porque, no que julgas a outro, a ti mesmo te condenas, pois praticas as próprias cousas que condenas.”
 
Isto é cristianismo autêntico?
Procuramos causar boa impressão para a sociedade através da nossa boa maneira de viver, tomando cuidado com o nosso procedimento. Mas se a nossa intenção com isso é atingir os outros com o evangelho e com o nosso testemunho de vida, antes de qualquer coisa, precisamos ser atingidos por esse evangelho. Precisamos ser autênticos, não basta falar, pregar, escrever sobre o cristianismo, mas sim vivê-lo.

Como dizer que a Igreja é um hospital de cura, se nós cristãos ferimos, mais que o próprio mundo, uns aos outros.
Ser autêntico, no dicionário, é como algo que se conforma com aquilo que é representado ou alegado. Significa coerência entre as palavras e ações. Inautenticidade significa que alegamos ser uma coisa, mas depois provamos ser outra completamente diferente.

Um estilo de cristianismo baseado mais em métodos externos do que em mudanças interiores, que nada mais é do que uma tentativa de santidade à qual falta poder.
Nós, cristãos, não sabemos o que significa “ser como Jesus”. Pregamos isso, porém estamos longe do estereótipo de Cristo.
 
O cristianismo é uma caminhada sobrenatural com Deus. Então, por que tantos cristãos vivem incoerentemente sem manifestações de poder?
Pensemos e refletimos sobre isso. Que tipo de cristianismo temos vivido? que tipo de cristianismo você tem vivido?

Paremos de julgar, acusar, causar, aborrecer e olhemos para Jesus Cristo.
Artigo elaborado pelo Pr Elder Sacal Cunha

O Descrédito da Igreja Evangélica

Browse > Home / / O descrédito da Igreja Evangélica II

O descrédito da Igreja Evangélica II

3 comentários

Queridos leitores,

No que estão transformando o Evangelho de Jesus (o Cristianismo)?

Hoje, vimos que o Cristianismo tem deixado de ser Novidade de Vida, para ser mais um Modismo inserido no contexto de nossa sociedade. Assisto muitas pessoas indo à Igreja, porém não fazem parte dela e tão pouco compreendem o seu significado aqui na Terra.
Em função disso, assim como Paulo, Tiago, Judas, João, Pedro, "Protesto" contra os ensinamentos e práticas religiosas que nada acrescentam à nós, pois:

Como podemos dizer, somos uma igreja?
Se não sabemos o verdadeiro significado do evangelho da graça e não somos capazes de nos doarmos pelos perdidos?
Como somos instrumentos de cura?
Se mais parecemos com uma lepra que mais feri que o próprio mundo?
Como podemos ser um hospital de pecadores?
Se nossas doutrinas são religiosas e preconceituosas?
Como ganhar o mundo?
Se investimos mais em fama e glória ministerial?
Como podemos ser santos?
Se somos capazes de desprezar o próximo com o nosso egoísmo religioso?
Como sentir a glória de Deus?
Se não somos capazes de sentar ao lado de um perdido, abraçá-lo e beijá-lo?
Como podemos ser a noiva de Cristo?
Se não se preocupamos com o nosso próprio corpo e gastamos nosso tempo com outras coisas ao invés de estar ao lado Dele?
Que vestes usamos?
A de pura ou verdadeira; ou a da mentira de que fazemos o melhor para Ele?
É hora de nos prepararmos, eis que o Noivo vem! Eis que Ele procura aquela que se doou por Ele!
Você sabe como se doar? Sabe o motivo do porque Ele te chamou? É hora de começar a cumprir os propósitos e de tirar as vestes, usar as vestes de sangue e de compromisso e ir se encontrar com Ele!

Porque é tempo de buscar ao Senhor, até que Ele venha (Oséias 10.12)

Reconhecendo uma Seita!

Browse > Home / / Reconhecendo uma seita

Reconhecendo uma seita

0 comentários
O mundo em que vivemos é rodeado por milhares de seitas e falsas religiões, as quais pensam estar fazendo a vontade do Pai quando, na verdade, não estão. Infelizmente, muitas pessoas têm sido alvo dessas seitas e religiões, por não conhecerem a base da fé cristã - a Palavra de Deus. Resolvi, então, deixar registrado essa postagem e desmascarar as seitas.
Uma seita é considerada um grupo pseudocrístão. Como tal, a seita reivindica ser cristã, mas nega uma ou mais das doutrinas essenciais do cristianismo histórico.
Existem milhares de religiões neste mundo, e obviamente nem todas são certas. O próprio Jesus advertiu seus discípulos de que viriam falsos profetas usando Seu nome, e ensinando mentiras, para desviar as pessoas da verdade (Mateus 24.24). O apóstolo Paulo também falou que existem pessoas de consciência cauterizada, que falam mentiras, e que são inspirados por espíritos enganadores (1 Timóteo 4.1-2). Nós chamamos de seitas a essas religiões. Não estamos dizendo que todos os que pertencem a uma seita são desonestos ou mal intencionados. Existem muitas pessoas sinceras que caíram vítimas de falsos profetas. Para evitar que isto ocorra conosco, devemos ser capazes de distinguir os sinais característicos das seitas. Embora elas sejam muitas, possuem pelo menos cinco marcas em comum:
 
(1) Elas têm outra fonte de autoridade além da Bíblia. Enquanto que os cristãos admitem apenas a Bíblia como fonte de conhecimento verdadeiro de Deus, as seitas adotam outras fontes. Algumas forjaram seus próprios livros; outras aceitam revelações diretas da parte de Deus; outras aceitam a palavra de seus líderes como tendo autoridade divina. Outras falam ainda de novas revelações dadas por anjos, ou pelo próprio Jesus. E mesmo que ainda citem a Bíblia, ela tem autoridade inferior a estas revelações. Portanto tomem muito cuidado com “novas revelações”, pois o Canon da Bíblia Sagrada já cessou em Cristo Jesus.
 
(2) Elas acabam por diminuir a pessoa de Cristo. Embora muitas seitas falem bem de Jesus Cristo, não o consideram como sendo verdadeiro Deus e verdadeiro homem, nem como sendo o único Salvador da humanidade. Reduzem-no a um homem bom, a um homem divinizado, a um espírito aperfeiçoado através de muitas encarnações, ou à mais uma manifestação diferente de Deus, igual a outros líderes religiosos como Buda ou Maomé. Freqüentemente, as seitas colocam outras pessoas no lugar de Cristo, a quem adoram e em quem confiam. O movimento Batalha espiritual, dá mais ênfase a satanás do que ao próprio Senhor Jesus, saía dessa canoa furada!
 
(3) As seitas ensinam a salvação pelas obras. Essa é uma característica universal de todas as seitas. Por acreditarem que o homem é intrinsecamente bom, pregam que ele pode acumular méritos e vir a merecer o perdão de Deus, através de suas boas obras praticadas neste mundo. Embora as seitas sejam muito diferentes em sua aparência externa, são iguais neste ponto. Algumas falam em fé, mas sempre entendem a fé como sendo um ato humano meritório. E nisto diferem radicalmente do ensino bíblico da salvação pela graça mediante a fé.
 
(4) As seitas são exclusivistas quanto à salvação. Pregam que somente os membros do seu grupo religioso poderão se salvar. Enquanto que os cristãos reconhecem que a salvação é dada a qualquer um que arrependa-se dos seus pecados e creia em Jesus Cristo como Salvador (não importa a denominação religiosa), as seitas ensinam que não há salvação fora de sua comunidade.
 
(5) As seitas se consideram o grupo fiel dos últimos tempos. Elas ensinam que receberam algum tipo de ensino secreto que Deus havia guardado para os seus fiéis, perto do fim do mundo. É interessante que ao nos aproximarmos do fim do milênio, cresce o número de seitas afirmando que são o grupo fiel que Deus reservou para os últimos dias da humanidade.
 
Podemos e devemos ajudar as pessoas que caíram vítimas de alguma seita. Na carta de Tiago está escrito que devemos procurar ganhar aqueles que se desviaram da verdade (Tiago 5.19-20). Para isto, entretanto, é preciso que nós mesmos conheçamos profundamente nossa Bíblia bem como as doutrinas centrais do Cristianismo. Mais que isto, devemos ter uma vida de oração, em comunhão com Cristo, para recebermos dele poder , amor e moderação.
Bibliografia:
Manual de apologética Cristã, Esequias Soares;
Cristianismo em Crise, Hank Hanegraaff

Desmascarando a Confissão Positiva!

Browse > Home / / / A doutrina da Confissão positiva

A doutrina da Confissão positiva

2 comentários
O que é Confissão positiva?
Para satisfação de alguns e espantos da maioria, esse movimento tem se alastrado no meio evangélico brasileiro desde a última década do século passado. É conhecido por vários nomes: Teologia da prosperidade, Evangelho da saúde, Palavra da fé ou Movimento da fé.
Essa corrente doutrinária ensina que qualquer sofrimento indica falta de fé. Assim, a marca do cristão cheio de fé e bem-sucedido é a plena saúde física, emocional e espiritual, além de prosperidade material.

As origens
Esse movimento nasceu numa antiga heresia conhecida como gnosticismo. Essa palavra vem do grego=gnosis, e significa “conhecimento”. Tal heresia data dos séculos I e II da era cristã, e ensinava que havia uma verdade especial, mais elevada, acessível somente aos iluminados por Deus. Os gnósticos acreditavam que há na natureza humana o princípio do dualismo: o espírito e o corpo – duas entidades separadas – são opostos. Para eles, o pecado habitava somente na carne.
 
Muitas pessoas desse movimento consideram Kennth Hagin o pai desse ensino, no entanto quando se investiga o desenvolvimento histórico do movimento, chega-se a conclusão de que o verdadeiro pai da Confissão Positiva é Essek Willian Kenyon.
 
Hagin é considerado o porta-voz da Confissão Positiva. Duas experiências afetariam sua vida e seu ministério. Hagin, afirma ter sido levado ao inferno, onde viu e sentiu coisas que o deixaram perplexo, tais como trevas que o impediam de enxergar até mesmo sua mão a uma distância de três centímetros dos seus olhos e um calor que, quanto mais ele descia, mais forte ficava. Hagin desceria outras duas vezes “ao inferno” para ali contemplar horrores, sendo assim levado a tomar uma decisão quanto sua vida espiritual. Depois da terceira visita ao inferno, Hagin aceitou a Cristo como seu Salvador.
 
A segunda experiência veio por meio da leitura do evangelho de Marcos 11.23-24:
...em verdade vos afirmo que, se alguém disser a este monte: Ergue-te e lança no mar, e não duvidar no seu coração, mas crer que se fará o que diz, assim será com ele. Por isso, vos digo que tudo quanto em oração pedirdes, crede que recebestes, e será assim convosco.
 
A partir de então Hagin começou seu ministério como jovem pregador. As visões tornaram-se parte importante de seu ministério, muitas das vezes, mais importante que a Palavra de Deus. Em 1952, Hagin afirma que Jesus Cristo apareceu à ele e disse, por mais de 1 hora, sobre o diabo, demônios e possessão demoníaca. Resolveu então ministrar ensinamentos a cerca de maldição hereditárias, cura interior, libertação, quebra de maldições, etc.
 
O ministério de Hagin é hoje um dos maiores do mundo e sua influência tem se espalhado por muitas partes do globo.
 
Os adeptos desse movimento
Além de Kenyon e Hagin, outros nomes se destacam nesse movimento:
Ken Hagin Jr, T.L Osborn, Fred Price, John Osteen, Marilyn Hichey, Benny Hinn, Jorge Tadeu, Valnice Milhomens, Rene Terra Nova, RR Soares e entre outros.

No Brasil
O movimento da fé tem encontrado formidável acolhida no Brasil. Algumas igrejas já foram estabelecidas em diferentes lugares. Diversos líderes, igrejas e organizações estão aderindo aos ensinos da Confissão Positiva sem fazer uma avaliação bíblica adequada e rigorosa.

E a Bíblia onde fica?
Eu poderia, muito bem, enfatizar uma série de trechos bíblicos acerca dos ensinamentos heréticos da Confissão Positiva, no entanto gostaria de citar apenas um trecho:
Santificai-vos na verdade; a tua palavra (Deus) é a verdade. Jesus Cristo (João 17.17)
Apenas enfatizando, não pretendo julgar homem nenhum e sim esclarecer, a luz da Palavra, o que é certo e errado. Cabe a você examinar tudo e reter o bem.
Pr Elder Sacal Cunha

Bibliografia: Super Crentes, Paulo Romeiro

Google+ Followers

Postagens populares