terça-feira, 8 de outubro de 2013

Heresia e Ortodoxia

ortodoxiaheresia
Por J. Warner Wallace
Tradução: Nathan Cazé
Heresia por Definição
 
          Estamos vivendo em um período na história quando mais e mais pessoas são altamente céticas sobre a noção de verdade objetiva. É alguma coisa objetivamente (ou absolutamente) verdade, ou é tudo simplesmente uma questão de perspectiva e opinião? A nossa cultura está começando a aceitar a possibilidade de que NADA é objetivamente verdade. Todos estão certos e ninguém está errado, desde que a verdade que eles acreditam tem sido derivada seriamente da perspectiva pessoal cultural e linguística deles. Em um mundo como este, poucas pessoas estão dispostas a desenhar uma linha na areia e afirmar que algumas coisas são simplesmente erradas e outras coisas são ‘objetivamente’ certas.

          Mas o relativismo nunca tem sido parte da tradição Cristã. A cosmovisão Cristã tem sempre afirmado que a verdade tem uma natureza e caráter que demanda exclusividade. Os Cristãos sempre têm crido que há verdades sobre Deus que simplesmente não estão disponíveis para negociação. E semelhantemente, há alguns pontos de vista sobre Jesus que são simplesmente FALSAS. Os crentes primitivos acreditavam tão fortemente sobre a natureza exclusiva da verdade e estavam tão convencidos de que as escrituras ensinavam verdades exclusivas e absolutas sobre a natureza de Deus, Jesus e a Salvação, que eles declararam estas verdades em vários credos. Para estes crentes, não havia uma bandeja de ‘escolhas’ teológicas da qual alguém possa escolher o que gostar. Ao invés disto, havia verdades objetivas que primeiro deve ser crido se alguém quisesse chamar-se de um Cristão. E aqueles que NÃO apoiavam estas verdades eram chamados de HEREGES porque eles criam em inverdades conhecidas como HERESIAS. A palavra “Heresia” vem da palavra Grega “Hairesis”.
Heresia = Hairesis (Grego) = “Escolha [N.T.: no sentido de ser uma escolha alternativa]
          É interessante que esta palavra que simplesmente descreve “escolha” é agora universalmente aceitada como um termo que atribui ERRO e imprecisão. Isto é verdadeiramente uma reflexão da verdade da natureza em que a verdade é exclusiva. Deixe-me dar-lhe um exemplo. Imagine que eu andasse em direção a uma árvore e pegasse uma maçã e levantasse-a ao alto e dissesse: “Isto é uma maçã”. Tenho eu a escolha de dizer: “Isto é uma laranja”? Tenho eu também a escolha de dizer: “Isto é um melão”? Não, eu não tenho muitas ESCOLHAS aqui. Há somente UM tipo de fruta que esta coisa vermelha em minha boca seja. Todas as outras escolhas simplesmente seriam ERRADAS. O fato de que “Heresia” (significando “escolha”) tem sido utilizado para descrever um “erro”, é uma reflexão do fato de que a verdade é exclusiva e NÃO há múltiplas escolhas disponíveis para nós:
“Heresia é uma opinião ou doutrina na filosofia, política, ciência, arte, etc., em discordância com aquelas geralmente aceitas como autoritário” (Dicionário Inglês de Oxford).
          Heresias são aquelas ‘escolhas’ que são incorretas, baseadas em alguma autoridade geralmente aceita. De uma perspectiva Cristã, heresias são aquelas afirmações que existem em oposição às verdades claras e objetivas descritas na Bíblia.
 
A Necessidade de Buscar e Ensinar a Verdade
 
          Desde os dias mais primitivos da era Cristã, os crentes reconheceram que as escrituras ensinaram verdades específicas e objetivas sobre a natureza de Deus, Jesus e Salvação. Apesar disto, vários professores levantaram-se promovendo afirmações e ensinando ideias que NÃO eram consistentes com o ensino das escrituras. A própria Bíblia previu que estes falsos professores levantariam, e as escrituras alertou os crentes a terem cuidado acerca das falsas ideias:
Gálatas 1:8-9
Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema. Assim, como já vo-lo dissemos, agora de novo também vo-lo digo. Se alguém vos anunciar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema. 
2 Coríntios 11:13-15
Porque tais falsos apóstolos são obreiros fraudulentos, transfigurando-se em apóstolos de Cristo. E não é maravilha, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz. Não é muito, pois, que os seus ministros se transfigurem em ministros da justiça; o fim dos quais será conforme as suas obras. 
2 Pedro 2:1-2
E também houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição, e negarão o Mestre que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição. E muitos seguirão as suas dissoluções, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade. 
1 João 4:1
Amados, não creiais a todo o espírito, mas provai se os espíritos são de Deus, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo. 
1 Timóteo 1:18-20
Este mandamento te dou, meu filho Timóteo, que, segundo as profecias que houve acerca de ti, milites por elas boa milícia; Conservando a fé, e a boa consciência, a qual alguns, rejeitando, fizeram naufrágio na fé. E entre esses foram Himeneu e Alexandre, os quais entreguei a Satanás, para que aprendam a não blasfemar. 
Tito 3:10
Ao homem herege, depois de uma e outra admoestação, evita-o.
          Os Cristãos foram alertados por Paulo, Pedro e João a serem cuidadosos sobre a VERDADE. Os Apóstolos alertaram os seus seguidores de que a verdade ERA objetiva e que verdades Cristãs não era simplesmente uma questão de ‘escolha’, e seus seguidores foram diligentes ao darem ouvidos a estas advertências. O discípulo do Apóstolo João, Policarpo, tinha um discípulo chamado Irineu. Este discípulo de segunda geração de João recebeu a admoestação apostólica sobre a verdade muito seriamente. Ele confrontou as deturpações Cristãs e mentiras de seu dia em uma obra que ele intitulou “Contra Haereses” (Contra Heresias). Irineu entendeu o ensinamento apostólico de que a verdade é exclusiva e que o erro (enquanto for cuidadosamente disfarçado) deve ser confrontado:
“O erro, de fato, nunca é apresentado em sua deformidade nua, para que, sendo então exposto, fosse imediatamente detectado. Mas é enfeitado astuciosamente em um vestido atraente, para que, pela sua forma externa, fazer-se aparecer ao inexperiente (ridículo como a expressão possa ser) mais verdadeiro do que a própria verdade”. (Contra Heresias 1.2)
          A fé Cristã tem sempre mantido a verdade com consideração incrivelmente alta. Como Cristãos, somos chamados para buscar e ensinar as verdades objetivas da Cosmovisão Cristã, rejeitando as falsidades abertas de ensinos errantes. Irineu modelou este aspecto da vida Cristã brilhantemente.
 
Então, De Que Chamaremos a Verdade Que Devemos Proteger?
 
          Irineu fez distinções cuidadosas entre o que ele referiu como “heresias” e as verdades que eram ensinadas pelos Apóstolos. Em “Contra Heresias”, Irineu apresentou as afirmações heréticas de alguns de seus contemporâneos errantes, e comparou estas afirmações às verdades que foi-lhe ensinado por Policarpo, como um discípulo do Apóstolo João. Irineu referiu as suas próprias crenças como “ortodoxo”. Esta palavra também é derivada de palavras de raízes Gregas:
“Ortodoxo” = “ortho” (‘certo’) + “dox” (‘crença’)
          Em essência, Irineu usou esta palavra para descrever aquelas crenças que poderiam ser apoiadas pelo ensino apostólico e Bíblico. A ideia de que pode-se haver uma “crença certa” presume que há algumas verdades objetivas da fé, e que as afirmações que contradizem estas verdades são falsas; NÃO são ‘crenças certas’! E a Bíblia é a autoridade sobre a qual afirmamos algo ser verdade. Como todos os seres humanos, nós Cristãos geralmente fundamentamos verdades em algo autoritário. Não estamos sozinhos nesta abordagem à verdade. Todos fazem isto de uma forma ou de outra. Nem toda verdade pode ser verificada da perspectiva de algum tipo de experimento empírico ou observação.

          Você e eu aceitamos muitas verdades sobre a base da autoridade. Isto é particularmente verdade quando se trata de crenças sobre o que ocorreu no passado (eventos históricos). Já que nenhum de nós estava lá no momento de um evento no passado, temos de confiar que um historiador é preciso em sua descrição. Temos que confiar em uma autoridade. Como cristãos, confiamos na Bíblia como a nossa autoridade. Confiamos que é uma testemunha ocular confiável do que realmente ocorreu e confiamos que é verdade em sua descrição da natureza de Deus, de Jesus e da Salvação.
 
O Caso para a Verdade Bíblica Objetiva (Ortodoxia)
 
          A palavra “ortodoxo” não aparece na Bíblia, mas dificilmente pode-se negar que o seu significado é afirmado pelas escrituras. A Bíblia DESCREVE a existência da verdade Bíblica objetiva e PRESCREVE que esta verdade deve ser ensinada e defendida.
 
Verdade Bíblica Objetiva (e Exclusiva) Existe
 
          Estamos atualmente em uma época onde é elegante para os Cristãos serem envolvidos em uma ‘conversa’ aberta sobre as questões da fé, sem nunca confortavelmente chegar a conclusões concretas sobre o que é VERDADE sobre a fé. Muitos Cristãos têm abraçado a filosofia secular do relativismo e permitiu isto influenciar sua visão da verdade Bíblica. Mas para os crentes mais primitivos (aqueles mais próximos aos autores originais das escrituras) a verdade era objetiva e exclusiva por natureza:
Efésios 4:4-6
Há um só corpo e um só Espírito, como também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação; Um só Senhor, uma só fé, um só batismo. Um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por todos e em todos vós.
A Verdade Bíblica Objetiva Deve Ser Ensinada e Promovida
 
          E para os crentes mais primitivos, não foi suficiente que esta verdade objetiva deveria ser buscada e entendida; a fé deles também chamava-os para ensinar e promover a cosmovisão Cristã exclusiva ao mundo ao redor deles:
Tito 2:1
Tu, porém, fala o que convém à sã doutrina.
A Verdade Bíblica Objetiva Deve ser Defendida
 
          Não houve hesitação por parte dos primeiros crentes e líderes da fé quando tratava-se de tomar uma posição para uma verdade objetiva singular sobre a natureza de Deus, Jesus ou Salvação. Esta verdade exclusiva foi apreciada como um dom precioso e aqueles que acreditaram foram chamados para guardá-la com as suas vidas.
2 Timóteo 1:13-14
Conserva o modelo das sãs palavras que de mim tens ouvido, na fé e no amor que há em Cristo Jesus. Guarda o bom depósito pelo Espírito Santo que habita em nós, o tesouro que tem sido confiado a vocês.
          Em um mundo relativista em que todas as verdades são consideradas igualmente válidas e verdadeiras, uma chamada para buscar a verdade singular e objetiva e defendê-la àqueles ao seu redor parece ridículo. Mas isso sempre foi a natureza da fé Cristã. A Bíblia assume que algumas coisas são verdade sobre Deus e algumas coisas  são falsas. A Bíblia reconhece a importância da fé, mas também reconhece que a fé em e de si mesmo NÃO tem poder. É somente quando colocamos a nossa fé no OBJETO correto e verdadeiro da fé, que Deus nos atribui com a Salvação. A verdade é importante para Deus.
 
Mas Não Pensa o Herege Que Todo Mudo É Um Herege?
 
          Um desafio comum a noção de que a verdade Ortodoxa existe, é o fato de que os hereges não pensam que eles são hereges . O fato de que um herege pensa que ELE é ortodoxo demonstra que a verdade é apenas relativa a qualquer  maioria que detêm-na? Afinal, certamente parece que a maioria é que determina o que é ortodoxo. Na maioria dos casos, é a maioria que torna-se a autoridade pela qual os pontos de vista da minoria são chamados de heréticos! Quem pode dizer qual lado é realmente ortodoxo e qual lado é herético?
 
          Mais uma vez, tudo resume-se à autoridade, não é mesmo? O fato de que duas partes podem argumentar sobre a existência ou não de uma verdade objetiva, NÃO nega a existência desta verdade objetiva. Na verdade, afirma a existência de tal verdade (afinal, ambos os lados estão afirmando tê-la). E, assim como toda a verdade depende de alguma autoridade, nós, como Cristãos, não devemos aceitar uma afirmação puramente porque algum grupo aceita-a. Como Cristãos, não podemos deixar um grupo ser a nossa autoridade. Somente a Bíblia deve ser a nossa autoridade e para cada um de nós foi dado a habilidade de ler e determinar o que a Bíblia diz sobre questões fundamentais.
 
          Como Cristão, acredito que HÁ certas verdades objetivas centrais relacionados à fé Cristã. Acredito que há algumas verdades na Bíblia que Deus requer que compreendemos com precisão. Estas verdades particularmente “essenciais” foram claramente descritas. Estão disponíveis para nós, mesmo com a nossa habilidade limitada de entender. Estes essenciais são repetidamente ensinadas pela escritura por uma razão. São importantes para Deus. Como resultado, devem ser importantes para nós. Devemos ver os essenciais ortodoxos da fé como as características que definem a nossa identidade como Cristãos. Se crermos o que a Bíblia diz sobre estes pontos fundamentais, podemos chamar-nos Cristãos. Se não, nós simplesmente não devemos usar o título para identificar a nós mesmos. Há somente duas opções para nós: ortodoxia ou heresia, a verdade ou a distorção. Ao examinarmos o Credo Apostólico juntamente, vamos lembrar o alto valor que Deus tem para estes essenciais da fé.
 

Google+ Followers

Postagens populares