sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Rebeca: Trabalhadora e Generosa, Mulher de Isaque, Nora de Abraão

Adicionar legenda

Rebeca

(Seu nome provavelmente significa “laço” ou “elo”)








Seu caráter:
Trabalhadora e generosa, sua fé era tão grande que deixou a sua casa pra sempre, a fim de casar-se com um homem que nunca vira. Todavia, favoreceu um filho e deixou de confiar plenamente em Deus quanto à promessa feita por ele.

Seu sofrimento:
Ficou estéril durante os primeiros vinte anos de sua vida de casas e nunca mais viu o filho favorito, Jacó, depois que ele precisou partir fugindo do irmão Esaú.

Sua alegria:
Deus realizou coisas tremendas a fim de convidá-la a participar de seu povo e de suas promessas.

Textos-chave:
Gênesis 24; 25.19-34; 26.1; 28.1-9

SUA HISTÓRIA

           O sol estava desaparecendo no horizonte, quando a jovem aproximou-se do poço que fiava fora da cidade de Naor, mais ou menos 800 quilômetros a noroeste de Canaã. Cabia às mulheres ir buscar água fresca todas as tardes, e Rebeca colocou o balde cheio no ombro, grata pela refrescante sensação do recipiente frio ao tocar sua pele. Quando já se preparava para ir embora, um estranho aproximou-se pedindo de beber. Atenciosamente, ela se ofereceu para puxar água do poço também para os camelos dele. Rebeca notou o olhar surpreso e alegre do homem. Bem, dez camelos iriam consumir bastante água, mas se ela tivesse ouvido a oração que ele havia sussurrado momentos antes, seu espanto teria sido maior que o dele: “E disse consigo: Ó Senhor, Deus de meu senhor Abraão, rogo-te que me acudas hoje e uses de bondade para com o meu senhor Abraão! Eis que estou ao pé da fonte de água, e as filhas dos homens desta cidade saem para tirar água; dá-me, pois, que a moça a quem eu disser: inclina o cântaro para que eu beba; e ela me responder: Bebe, e darei ainda de beber aos teus camelos, seja a que designaste para teu servo Isaque” (Gn 24.12-14).

          Um gesto simples. Uma resposta generosa. O futuro de uma jovem mudado num instante. O homem que Rebeca encontrou junto ao poço, servo de Abraão, fora encarregado de uma missão sagrada – encontrar uma esposa para Isaque entre o povo de Abraão e não entre os vizinhos cananeus. Como sua tia-avô, Sara, antes dela, Rebeca faria a viagem para o sul, a fim de aceitar um futuro que mal era capaz de vislumbrar. Noiva de um homem com o dobro de sua idade, cujo nome significava “riso”, sentiu-se subitamente atordoada. O Deus de Abraão e de Sara estava tentando persuadi-la, chamando seu nome e não o de outra, convidando-a a compartilhar da promessa. Deus estava forjando uma nova nação para ser seu povo exclusivo.

           Isaque tinha 40 anos quanto viu Rebeca pela primeira vez. Seu coração talvez tivesse sentido uma alegria parecida com a do primeiro homem:
- Esta, afinal, é osso dos meus ossos e carne da minha carne !

           Isaque e Rebeca entraram, então, na tenda de Sara, mãe dele, e ele a tomou por mulher. A Bíblia diz que ela consolou Isaque depois da morte de Sara, sua mãe. Rebeca era formosa e forte como Sara, todavia não teve filhos durante os primeiros vinte anos de sua vida com Isaque. Será que sofreria como Sara a maldição da esterilidade?
 
Isaque orou, e Deus ouviu, dando a ela não um, mas dois filhos, que lutavam em seu ventre. Deus lhe disse, então:
- Duas nações há no teu ventre, dois povos, nascidos de ti, se dividirão; um povo será mais forte que o outro, e o mais velho servirá ao mais moço (Gn 25.23).

          Durante o parto, os dedos de Jacó agarraram o calcanhar do irmão, Esaú, como se ele tentasse nascer primeiro. Embora tenha sido o segundo a nascer, Jacó tornou-se o primeiro no afeto da mãe. Isaque, porém, amava mais a Esaú.
 
Anos mais tarde, quando Isaque envelheceu e ficou quase cego, chamou seu primogênito, Esaú, e disse:
- Faze-me uma comida saborosa, como eu aprecio, e traze-me, para que eu coma e te abençoe antes que eu morra (Gn 27.4).

          Rebeca, muito esperta, ouviu tudo e chamou rapidamente Jacó, sugerindo um plano par evitar que a benção fosse dada ao irmão dele. Disfarçado como Esaú, Jacó apresentou-se ao pai para receber a tão esperada benção.
Assim, Isaque acabou abençoando Jacó pensando que era Esaú:
- Sirvam-te povos, e nações te reverenciem; sê senhor de teus irmãos, e os filhos de tua mãe se encurvem a ti; maldito seja o que te amaldiçoar, e abençoado o que te abençoar (Gn 27.29).

           O patriarca estendera a mão e dera a melhor benção ao filho mais novo, evocando palavras ditas sobre os dois filhos quando ainda lutavam no ventre de Rebeca. Depois de entregue, a benção não poderia ser retirada, apesar do engano, apesar das lágrimas de Esaú e apesar de seu juramento de matar Jacó. Com medo da vingança de Esaú, Rebeca convenceu Isaque a enviar Jacó a Harã, para que ali encontrasse uma esposa entre as filhas de seu irmão, Labão. Ela mandaria buscar Jacó assim que a fúria do irmão se acalmasse.

          Com o passar dos anos, Rebeca deve ter sentido muita saudade de Jacó, rogando para ter oportunidade de abraçá-lo novamente, pelo privilégio de envolver os filhos dele nos seus braços. Porém, mais de vinte anos se passaram antes que Jacó voltasse. Embora Isaque vivesse para dar as boas-vindas ao filho, Rebeca não sobreviveu. Quando Rebeca ainda era bem jovem, Deus a convidara para desempenhar um papel vital na história de seu povo. Ele fez tudo o que era necessário para alcançá-la. Como Sara, Rebeca se tornaria matriarca do povo de Deus e, também como Sara, seu coração se dividiria entre fé e dúvida por acreditar que a promessa de Deus requeria sua intervenção para cumprir-se. Achando difícil apenas descansar no que Deus lhe prometera, recorreu a subterfúgios para obter o que desejava.

          Os resultados, refletindo o estado de seu coração, foram uma grande confusão. Jacó tornou-se, de fato, herdeiro da promessa, mas foi afastado da casa e da mãe, que tanto o amava. Além disso, os seus descendentes ficariam para sempre em conflito com os descendentes de Esaú, os edomitas. Dois mil anos depois, Herodes, o Grande, um homem poderoso nascido na Iduméia (nome grego e romano para Edom) mataria crianças inocentes numa tentativa de destruir o menino Jesus. Deus, porém, continuava usando a vida daquela mulher, que, mesmo longe de ser perfeita, realizaria seus propósitos.


SUA VIDA E SUA ÉPOCA


          Jóias. Então, lhe pus o pendente no nariz e as pulseiras nas mãos [...] e tirou jóias de ouro e de prata e vestidos e os deu a Rebeca. (Gn 24.47,53). Um pendente no nariz!? Bem, isso que costuma ser um sinal de provocação dos jovens, hoje, era uma forma socialmente aceita de adorno na antiguidade. Quando o servo de Abraão compreendeu que Rebeca era a mulher com quem Isaque iria casar-se, ele imediatamente pegou as jóias que levara para a ocasião. Deu a ela duas pulseiras e um pendente de ouro par ao nariz. Rebeca rapidamente colocou as jóias e correu para casa, com os olhos brilhando, para contar à família tudo o que ocorrera.

          O pendente para o nariz é mencionado apenas duas vezes nas Escrituras: Em Provérbios 11 e em Ezequiel 16. Em Ezequiel 16, Deus descreve, em termos figurados, como ama a cidade de Jerusalém. Ele a banha amorosamente, depois veste com roupas riquíssimas e sandálias de couro macio. A seguir, cobre-a ternamente com jóias. “Também te adornei com enfeites e te pus braceletes nas mãos e colar à roda do pescoço. Coloquei-te um pendente no nariz, arrecadas nas orelhas e linda coroa na cabeça. Assim, foste ornada de ouro e prata.” (Ez 16.11-13).

          O Antigo Testamento menciona jóias várias vezes. Mulheres e homens usavam brincos (Ex 32.2) e também “ornamentos para o braço, pulseiras, sinetes, arreadas e colares” (Nm 31.50). Os israelitas obtinham quase todas as suas jóias de povos vencidos em guerras. Ouro, prata e pedras preciosas aparecem, muitas vezes, listados entre os despojos tomados nas batalhas. Lemos em II Samuel 8.11 que Davi ganhou enormes quantidades de ouro, prata e bronze quando conquistou as nações ao redor de Israel. Dedicou tudo ao Senhor, e seu filho, Salomão, usou esse tesouro para construir o grandioso templo de Jerusalém. Acredite ou não, Salomão tinha tanto ouro em seu reino que “fez o rei que, em Jerusalém, houvesse prata e ouro como pedras” (II Cr 1.15).

          O Novo Testamento menciona jóias especificamente apenas uma vez. Ao falar às mulheres, Pedro recomenda que dêem mais atenção à sua beleza interior do que à exterior: “Não seja o adorno da esposa o que é exterior, como frisado de cabelos, adereços de ouro, aparato de vestuário; seja, porém, o homem interior do coração, unido ao incorruptível trajo de um espírito manso e tranquilo, que é de grande valor diante de Deus” (I Pe 3.3-4).

           É evidente que as mulheres dos dias do Novo Testamento eram tão fascinadas por jóias quanto as do Antigo Testamento ... e as de hoje. É fácil e corriqueiro olhar-se no espelho para avaliar a aparência externa, mas como são poucas as vezes em que a maioria de nós passa um bom tempo examinando a aparência interior!
 
           Amanhã cedo, ao colocar anéis nos dedos, coloque também em sua vida um espírito de paz. Ao por brincos nas orelhas, aproveite para dotar em sua vida uma atitude de alegria. Quando puser um colar no pescoço, não esqueça de por também um espírito de doçura no coração. As jóias que usa não farão muita diferença em seu dia, mas o espírito do qual estiver revestida, esse fará.
SEU LEGADO NAS ESCRITURAS

Leia Gênesis 24.15-27
20. O que essa primeira informação sobre a jovem Rebeca lhe diz sobre a aparência e o caráter da moça?
21. De que forma você se parece com Rebeca? Como difere dela?

Leia Gênesis 24.28-50
22. Nesses versículos, o servo de Abraão conta à família de Rebeca como ela a encontrou, enfatizando a benção e e o envolvimento do Senhor em tudo. Como a família de Rebeca reagiu?

Leia Gênesis 24.52-58
23. Três palavras simples, mencionadas no versículo 58, mudaram para sempre a vida de Rebeca. Com quem ela se parecia em sua disposição para ir aonde nunca estivera antes?
24. Como você reagiria se Deus a chamasse para sair de sua casa e deixar sua família? O que teria de acontecer para que você obedecesse?

Leia Gênesis 24.67
25. Essas são as palavras mais doces sobre o casamento encontradas na Bíblia. Descreva como acha que foi o casamento de Isaque e Rebeca naqueles primeiros dias.

Leia Gênesis 25.28
26. Essas são algumas das palavras mais tristes a respeito da educação de filhos encontradas na Bíblia. Descreva sua opinião sobre como o favoritismo dos pais afetou Jacó e Esaú e seu relacionamento.
27. Muitas crianças crescem pensando que os pais favorecem mais um irmão do que o outro. Se você tem filhos, como evitar que pensem desse modo?

Leia Gênesis 27.1 até 28.9
28. Por que Rebeca recorreu ao engano para obter o cumprimento de uma promessa feita a ela quando estava grávida?
29. Descreva como você acha que Rebeca deve ter se sentido dez anos mais tarde. Será que se arrependeu do que fizera?
30. De que modo os atos de Rebeca se assemelharam aos de sua sogra Sara?
31. A história de Rebeca é rica e cheia de vida. Resuma em uma sentença o que gostaria de aprender com ela.

SUA PROMESSA

Rebeca ouviu o servo de Abraão relatar como orara e como tinha certeza de que ela era a mulher que Deus escolhera para Isaque. O próprio Deus orquestrara divinamente os acontecimentos., Rebeca parecia saber disso, e quando lhe perguntaram, respondeu simplesmente:
- Irei.
Rebeca compreendia plenamente o plano de Deus para ela? Estava disposta a segui-lo? Ou simplesmente se deixou encantar pelas idéias românticas de uma jovem em busca de um cavaleiro de armadura brilhante? Qualquer que tenha sido a motivação de Rebeca, aqueles eventos certamente foram planejados por Deus, que tinha poder e determinação para continuar a cumprir fielmente suas promessas por meio dela.
A fidelidade de Deus, apesar de nossa desobediência e contradição, é evidente em toda a Escritura e durante toda a nossa vida. Ele será fiel; Ele promete.

Promessas nas Escrituras

Saberás, pois, que o Senhor, teu Deus, é Deus, o Deus fiel, que guarda a aliança e a misericórdia até mil gerações aos que o amam e cumprem os seus mandamentos. (Dt 7.9)

O Senhor é fiel em todas as suas palavras e santo em todas as suas obras. (Sl 145.13)

Guardemos firme a confissão da esperança, sem vacilar, pois quem fez a promessa é fiel. (Hb 10.23)

SEU LEGADO DE ORAÇÃO

“És nossa irmã; sê tu a mãe de milhares, e que a tua descendência possua a porta dos seus inimigos”
(Gn 24.60)

Medite
Gênesis 27

Louve a Deus
Diferentemente de Isaque, que só teve uma benção para dar aos filhos, Deus tem bênçãos específicas destinadas a cada um de nós.

Agradeça
Porque Deus não espera até que estejamos aperfeiçoados para nos colocar em seus planos.

Confesse
Sua tendência de controlar o futuro, em vez de confiar em Deus para direcioná-la de acordo com o que Ele tem planejado para você.

Peça a Deus
Que a impeça de ter favoritos entre seus filhos e que a faça confiar que Ele tem um plano generoso para cada um.

Eleve o coração
Gaste alguns minutos, semanalmente, para escrever um cartão de benção a cada um de seus filhos. Use um cartão simples ou enfeite-o com adesivos ou desenhos. (Se não tiver filhos, pode fazer isso para algum sobrinho ou para qualquer outra criança de seu relacionamento). Comece orando por seus filhos pedindo as bênçãos de Deus sobre eles. A seguir, escreva as bênçãos que sente que Deus lhes quer dar. Coloque os cartões de bênçãos debaixo do travesseiro deles ou ao lado do prato no jantar., Diga-lhes que essas são algumas das coisas que está pedindo a Deus para a vida deles. Não deixe de guardar uma cópia de cada cartão para orar regularmente pelas bênçãos.


Oração
“Senhor, tu nos dá poder para abençoar nossos filhos mediante nosso exemplo, nossos ensinamentos, nosso amor e nossas orações. Que nossos filhos venham a superar-nos na fé. Que em todas as dificuldades que enfrentarem sejam capazes de sentir tua proximidade, e que a alegria deles se renove a cada manhã. Possa cada um ser uma pessoa que atraia outros a ti. Amém.”

Google+ Followers

Postagens populares