quarta-feira, 28 de agosto de 2013

As Redes de Deus para pegar Satanás

 
 
 
AS "SATANEIRAS" DE DEUS 
 
          Examinaremos algumas passagens bíblicas que mostram Deus agindo de forma que o diabo não entendeu; e a primeira delas já nos revela que Deus usou tal ocorrido para mandar um recado ao reino das trevas: sua multiforme sabedoria não pode ser compreendida. 
 
"A mim, o menor de todos os santos, me foi dada esta graça de pregar aos gentios o evangelho das insondáveis riquezas de Cristo e manifestar qual seja a dispensação do mistério, desde os séculos, oculto em Deus, que criou todas as coisas, para que, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus se torne conhecida, agora, dos principados e potestades nos lugares celestiais, segundo o eterno propósito que estabeleceu em Cristo Jesus, nosso Senhor"
Efésios 3:8-11.
 
           O texto fala sobre um mistério, um segredo, que desde os séculos estava oculto, escondido em Deus. O contexto (os dois capítulos anteriores e o começo deste) nos revela que tal segredo era a inclusão dos gentios (ou seja, a Igreja) no plano de Deus para estabelecer seu reino na Terra. Embora o que se esperava lendo o Velho Testamento era que Israel fosse quem cumpriria o plano divino, Deus tinha um segredo prometido nas entrelinhas das profecias acerca de Israel, e que apontava para a Igreja gentílica; isto só veio a ser revelado nos dias do Novo Testamento (Mt.21:33-46 e Ef.3:2-5). 
 
          A revelação do mistério foi a manifestação da Igreja, e através dela o apóstolo Paulo disse que Deus tornou sua multiforme sabedoria conhecida dos principados e potestades nas regiões celestiais. Não que estes principados não conhecessem antes a sabedoria de Deus; o livro de Tiago diz que os demônios crêem em Deus e estremecem; eles conhecem o poder e a grandeza de Deus. Só que quando a Igreja surgiu, isso foi algo totalmente inesperado no reino das trevas; foi uma verdadeira "sataneira".
 
           O diabo não esperava por esta! Havia uma expectativa tremenda nos dias de Jesus pela vinda do Messias, que estabeleceria o reino de Deus, conforme fora dito claramente pelo profeta Daniel. Os profetas apontavam a vinda de um rei e seu reino, e era isto que os judeus esperavam; e foi contra isto que Satanás se armou.
 
Para que um reino se estabeleça, é preciso pelo menos duas coisas básicas: 
 
1) O povo do reino - os súditos;
2.      O Rei do reino.
          Se tirarmos qualquer um destes elementos, não há como haver um reino. E os registros bíblicos nos revelam que Satanás fez destes elementos o seu alvo para tentar impedir a manifestação do reino. 
 
          Alistei o povo antes do rei não por ordem de importância, mas de chegada. Pelo menos aparentemente, já se sabia quem era o povo bem antes de se saber quem era o rei. Digo aparentemente, pois embora Deus tenha feito promessas à descendência de Abraão, o que nos levaria a interpretar como sendo o Israel natural, a revelação que o Novo Testamento trouxe é que os filhos de Abraão não são necessariamente os da carne, mas os da fé (Rm.2:28,29; Gl.4:22-31). 
 
          Mas isto não ficou claro antes da vinda de Jesus, portanto, era de se esperar que o povo do reino fosse o Israel natural, e o diabo tentou destruí-lo desde o princípio da aliança de Deus com Abraão. O livro de Ester, por exemplo, é a narrativa de como o inimigo tentou exterminar esta nação e como Deus estava sempre presente, guardando-os. E nos anos que antecederam a vinda de Cristo, o diabo sufocou a nação israelita debaixo de quatro grandes impérios: Babilônia, Medo-Pérsia, Grécia e, por fim, Roma; em todos eles ele tentou destruir a identidade da nação e, mesmo não conseguindo, roubou-lhe a independência e a liberdade de se preparar para ser um grande e forte reino. 
 
          Mas não adiantou, pois enquanto Satanás lutava para amarrar Israel como nação, Deus levantou debaixo do nariz do diabo a Igreja gentílica! Era algo impossível de se ver sem a revelação do Espírito; era um segredo de Deus, ou seja, era parte do agir invisível de Deus. Ninguém imaginava que Deus estivesse preparando isto, nem mesmo o diabo!
Portanto, quando a Igreja foi levantada, por meio dela Deus estava mostrando sua multiforme sabedoria aos principados e potestades. Foi como um recado que dizia: "Não adianta, vocês nunca entenderão e jamais vencerão; Eu sou maior!"
 
          O livro de Salmos diz que o Senhor se rirá de seus inimigos; creio que nesta hora Deus riu... Enquanto os demônios observavam atônitos o mistério de Deus e reviam seu trabalho inútil de tentar prender o povo do reino, creio que Deus riu. E a Igreja é um recado eterno desta sabedoria de Deus e seu poder de armar sataneiras. 
 
          Quando o diabo se tocou que o povo do reino não era necessariamente Israel, mas sim os que criam em Jesus e nasciam de novo (Jo.1:11,12), tentou então destruir a Igreja.
 
Observe o que diz a Bíblia:
"E Saulo consentia na sua morte. Naquele dia, levantou-se grande perseguição contra a igreja em Jerusalém; e todos, exceto os apóstolos, foram dispersos pelas regiões da Judéia e Samaria.
Saulo, porém, assolava a igreja, entrando pelas casas; e, arrastando homens e mulheres, encerrava-os no cárcere."
Atos 8:1,3. 
 
          Assim que veio a perseguição, a Igreja perdeu seu sossego e os crentes começaram a ser presos e até martirizados. Então muita gente, devido à intensidade da perseguição, começou a fugir para outras cidades. E a Igreja que logo no início já tinha chegado à marca dos cinco mil membros, dispersou-se, ficando apenas os apóstolos. Aparentemente Satanás conseguiu o que queria e oprimiu o povo do reino, mas ele não sabia que esta era mais uma sataneira! 
 
Veja o outro lado da história: Jesus havia capacitado seu povo com o poder do Espírito Santo com um único propósito:
"mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra."
Atos 1:8. 
 
          Eles não deviam permanecer só em Jerusalém, mas a responsabilidade de serem testemunhas de Cristo envolvia o começarem lá seu trabalho, mas depois espalharem-se progressivamente pelas outras cidades da Judéia, as de Samaria e então não parar mais! Só que o povo de Deus se acomodou. O tempo passou e eles estavam lá em Jerusalém ainda. Não estavam obedecendo a Cristo. Não haviam se tornado ainda uma Igreja missionária. Algo precisava ser feito. 
 
         E sabe quem ajudou? O diabo. É, ele mesmo!  Até Satanás enviar aquela perseguição, ninguém tinha saído pregar nas circunvizinhanças. Mas quando o diabo quis destruir a indestrutível Igreja de Jesus, caiu em mais uma sataneira, e ajudou a espalhar o evangelho: 
 
"Entrementes, os que foram dispersos iam por toda parte pregando a palavra."
Atos 8:1,3-4. 
 
          É irônico como Deus põe seu inimigo para trabalhar para Ele; chega a ser engraçado. Toda vez que Satanás investe contra a Igreja, ou mesmo contra a sua vida, saiba de uma coisa meu irmão, enquanto ele ainda está indo, Deus já foi e voltou algumas eternas vezes! Vimos o como o adversário tentou barrar o povo do reino e se deu mal. 
 
          Agora permita-me mostrar-lhe suas tentativas contra o rei do reino, e como elas novamente demonstraram que a multiforme sabedoria de Deus continuava no controle. Por várias vezes Satanás tentou parar Jesus. No começo foi com as tentações no deserto, mas logo que Jesus Cristo o derrotou, os planos mudaram; assim que ele saiu do deserto e foi para Nazaré, sua cidade, o tiraram da sinagoga e tentaram empurrar-lhe de um penhasco, mas não puderam matá-lo. 
 
          Lucas diz que ele simplesmente saiu do meio deles. Depois vemos que as conspirações para a morte do Messias vão crescendo até que em Jerusalém Jesus é traído, preso e crucificado. E o diabo está nesta conspiração; foi ele mesmo que pessoalmente entrou em Judas para consumar a traição: 
 
"Estava próxima a Festa dos Pães Asmos, chamada Páscoa. Preocupavam-se os principais sacerdotes e os escribas em como tirar a vida a Jesus; porque temiam o povo.
Ora, Satanás entrou em Judas, chamado Iscariotes, que era um dos doze. Este foi entender-se com os principais sacerdotes e os capitães sobre como lhes entregaria a Jesus; então, eles se alegraram e combinaram em lhe dar dinheiro."
Lucas 22:1-5. 
 
          Nosso Senhor mesmo declarou no Getsêmani, quando foi preso: "esta é a vossa hora e o poder das trevas" (Lc.22:53). Não era apenas a hora humana, daqueles que tinham conspirado contra Jesus, mas era a hora do poder das trevas porque Satanás estava lutando de todas as formas para empurrar Jesus à cruz. E "conseguiu".
Não porque fosse mais forte que Deus, mas porque estava caindo em mais uma sataneira.
 
           Jesus acabou mesmo morrendo e houve trevas sobre a terra. Creio que naquela hora não se tratava apenas da natureza gemendo pela morte do seu Criador mas, que também, se tratava de densas trevas de malignidade produzidas por uma reunião de todo o reino do mal. O Salmo 22, que é messiânico, alude figuradamente à presença de demônios em volta da cruz quando fala de vários animais como cães e touros, que no aspecto natural não estiveram lá. 
 
          Só que três dias depois Cristo demonstrou que só morreu porque quis e, que, realmente, como ele mesmo dissera, tinha o poder de dar a sua vida e também de retomá-la. Ele ressuscitou vitorioso sobre todo o poder das trevas e demonstrou que não apenas sua ressurreição, mas a própria crucificação significava a derrota do diabo. Aquilo que foi uma tentativa maligna de destruir a vida de Jesus, tornou-se a derrota do próprio diabo. 
 
Veja dois textos que dão testemunho disto:
"tendo cancelado o escrito de dívida, que era contra nós e que constava de ordenanças, o qual nos era prejudicial, removeu-o inteiramente, encravando-o na cruz; e, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz."
Colossenses 2:14,15.
"Visto, pois, que os filhos têm participação comum de carne e sangue, destes também ele, igualmente, participou, para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo, e livrasse todos que, pelo pavor da morte, estavam sujeitos à escravidão por toda a vida."
Hebreus 2:14,15. 
 
          Aleluia! Um texto diz que na cruz Jesus despojou os principados e potestades e triunfou deles; outro diz que era necessário Jesus morrer para que pela morte Ele destruísse o que tinha o poder da morte, o diabo. A tentativa maligna de destruir Jesus virou contra o próprio diabo e o destruiu! Nossa mente não poderia imaginar jamais que Deus escolheria um caminho assim tão estranho para vencer o diabo, dar-lhe um aparente gostinho de "vitória", enquanto usava isto para destruí-lo. 
 
          Não podemos entender o agir de Deus. E o Senhor faz questão de que assim seja, pois nesta sua maneira de agir não somente nós, os homens, ficamos sem entender o que está acontecendo, mas o próprio diabo também fica; e na verdade esta é uma das razões de Deus agir assim, para levar o próprio diabo a trabalhar para Ele muitas vezes, como servo compulsório. Há vários textos capazes de confundir a cabeça de qualquer um se não forem vistos por este prisma.
 

Google+ Followers

Postagens populares